ATENÇÃO

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR

terça-feira, 14 de abril de 2015

VERA LUCIA TRINDADE A DAMA DA LITERATURA.

Prezados amigos e amigas:
Vou transcrever na integrar uma postagem muito bonita e bem redigida pela editora do Blog Ponto Cruz Com Misses e Literatura, faço isso, porque mais pessoas tem que tomar conhecimento do requinte e da beleza das escritas dessa Dama da Literatura, visitem o seu blog para entender a minha expressão "Dama da Literatura".
Vou iniciar esta postagem com o seu perfil e em seguida mostrar para voces sua postagem sobre nossa Miss Universo 1968 Marta Vasconcelos.
VERA LUCIA TRINDADE  -  PERFIL
Psicóloga, Especialista em Neuropsicologia, futura Terapeuta Cognitiva Comportamental e futura Psicóloga Forense. Pessoa dedicada à família, caseira, gosta de trabalhos manuais, principalmente ponto cruz. Outra paixão são os concursos de misses. Aqui no Blog quero falar sobre esses assuntos e também sobre literatura.



Miss tão Engajada

Martha  Vasconcellos, eleita a mulher mais bonita do mundo em 1968, ganha biografia que lembra também sua luta contra a violência doméstica

Martha Vasconcellos, em foto para a Revista CLAUDIA, do mês de março e a capa da sua biografia lançada no dia 9 de abril.

"Sempre imaginei que essas mocinhas de concurso de beleza tinham a cabeça mais vazia que bolso de pobre". Foi dessa maneira debochada que Carmem da Silva, colunista por 22 anos de CLAUDIA, ativa disseminadora de pensamentos feministas, começou um texto sobre a baiana Martha Vasconcellos, eleita Miss Universo 1968, razão que levou à publicação de seu perfil na revista. No parágrafo seguinte, a jornalista relatava, como, cara a cara, havia reconsiderado: "Tive de engolir a ironia, a indulgência, as ideias preconcebidas e admitir que Martha Vasconcellos... tem inteligência, vivacidade, humor, fibra". Seria, de fato, um erro reduzi-la aos estereótipos do título. Aquela miss, afinal, sonhava voar mais alto do que apenas viver da sua beleza. "Entrei no concurso para contrariar meu pai, que era muito rígido, e tive sorte. Nunca me achei bonita. Mas foi bom para viajar, abrir a cabeça", afirma Martha hoje.
Aos 66 anos, ela já foi empresária, viveu três casamentos, criou dois filhos e, aos 52 anos, resolveu cursar Psicologia em Cambridge College, nos Estados Unidos, onde morou por 11 anos. "Sempre quis ser psicóloga e em nenhum momento achei que estava velha para começar", conta. "Na época, fiquei em dormitório de estudante, acampei, fiz tudo o que se faz ao entrar na faculdade". Formada, ingressou em um mestrado na área de saúde mental e terapia e trabalhou por seis anos na organização sem fins lucrativos Massachusetts Alliance of Portuguese Speakers, em Boston, com imigrantes que tinham o português como língua nativa e, principalmente, brasileiras vítimas de violência doméstica. Ali, chegou a supervisora. "Fui vítima de violência doméstica no meu segundo casamento, fiz exame de corpo de delito, mas não dei prosseguimento por medo da exposição. Escolhi atuar com mulheres agredidas porque sabia bem o que era aquilo", diz. A miss recebeu três prêmios internacionais por sua ação nessa área. Há três anos, voltou a se instalar no Brasil, logo após a morte do terceiro marido, John Riely - ou  "o Joãozinho" -, com quem manteve uma união de oito anos.
Neste mês, ela ganha uma biografia. O livro, com 698 páginas, é parte da coleção Gente da Bahia, publicada pela Assembleia Legislativa. Martha não foi a única brasileira a abocanhar a faixa de Miss Universo: antes, em 1963, a gaúcha Ieda Maria Vargas havia feito o mesmo. Não ser pioneira, porém, nuca ofuscou seu brilho. Foi até feriado em Salvador quando ela retornou coroada. Mais de 300 mil pessoas saíram às ruas para vê-la desfilar em carro aberto com o glamoroso vestido azul usado na disputa. "Queriam vingar a derrota de outra baiana, Marta Rocha, que, em 1954, teria perdido o título por duas polegadas a mais no quadril, e mostrar ao mundo que temos mulheres lindas", analisa o jornalista Roberto Macêdo, autor da obra. Martha provou que temos, mas não se acomodou nisso. "Ser bonita na minha família nunca foi motivo de endeusamento. Até porque a beleza acaba e não há o que fazer", alega. "As maiores felicidades de minha vida foram ter e criar filhos e voltar a estudar". Esses, sim, eram seus verdadeiros sonhos.
MARTA VASCONCELOS
Miss Bahia, Miss Brasil e Miss Universo 1968
Esta postagem alem de copiada do Blog Ponto de Cruz Com Misses e Literatura é uma homenagem a esta grande mulher VERA LUCIA TRINDADE

2 comentários:

  1. Meu Deus, João Herculano, agora você me deixou sem palavras... muito, muito, muito obrigada pela homenagem a minha pessoa e por divulgar o nome do meu blog para mais pessoas tenham conhecimento dele. E enquanto houver concursos de beleza, gráficos de ponto cruz, livros e disposição, continuarei fazendo as postagens do blog.
    Agradeço de coração a homenagem e mais uma vez muito obrigada.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera Lucia
      Voce não tem que agradecer nada, eu é que sou um previlegiado de tê-la como amiga. Quanto ao Blog Ponto Cruz Com Misses e Literatura é otimo e tudo que voce escreve são verdadeiras lições e impecaveis vias de informações. Parabens !
      Abraços

      Excluir

POSTAGENS MAIS VISITADAS